Pesquisa da Bain & Company revela que corte emergencial de custos é ineficaz

Pesquisa da Bain & Company revela que corte emergencial de custos é ineficaz
Durante a crise financeira de 2008, 60% das empresas que buscavam 20% de economia falharam

09/13/2012

Dentre as várias maneiras pelas quais as empresas podem se diferenciar— tais como estratégia, marca, posição de mercado e liderança em tecnologia — mais de 40% dos líderes setoriais consideram o custo como sua maior vantagem competitiva. Não causa surpresa que a maioria das organizações tente economizar constantemente. Mas um estudo recém-concluído pela Bain & Company, empresa global de consultoria estratégica, mostra que optar pelo corte de custos pouco planejado ou emergencial é ineficaz. "As ações mais óbvias, como demitir funcionários, não se sustentam no longo prazo. Quando a economia virar, a empresa vai pagar mais caro para contratar ou vai ficar para trás por não ter gente suficiente para crescer", afirma Alfredo Pinto, sócio da Bain e um dos autores do estudo.

A pesquisa, desenvolvida com cerca de 300 empresas para avaliar sua performance nos anos de 2008 e 2009, revela a magnitude do problema. Muitas corporações reagiram à crise financeira com várias iniciativas para redução de custos. Entretanto, analisando esses esforços, 40% dos consultados afirmaram que não foram bem-sucedidos em seus objetivos. E, dentre os que buscavam uma redução de custos de 20% ou mais, quase 60% afirmaram que não alcançaram tal resultado.

Ainda assim, algumas empresas conseguiram não apenas diminuir seus custos de forma significativa, mas também manter essas reduções. Mais de 20% delas mantiveram ou aumentaram o seu EBIT (lucros antes de juros e impostos), apesar de uma queda de 10% ou mais no faturamento. “Uma conquista extraordinária. As empresas que reduziram custos e conseguiram mantê-los usam uma abordagem bem diferente das demais. Nós chamamos essa abordagem de transformação de custos sustentável”, esclarece Alfredo.

A Bain concluiu que geralmente as corporações que conseguem realizar essa transformação percorrem um caminho comum com quatro elementos-chave: elas definem objetivos com base em dados de mercado externos, e não em referências internas; adequam seus esforços de redução de custos à sua estratégia; utilizam métricas corretas; e focam na organização como um todo, considerando suas interfaces, e não apenas nas partes individuais que a compõem.

Para ter acesso à íntegra da pesquisa, por favor, entre em contato pelo e-mail priscila.pagliuso@agenciaideal.com.br.

About Bain & Company, Inc.

Bain & Company is the management consulting firm that the world's business leaders come to when they want results. Bain advises clients on strategy, operations, technology, organization, private equity and mergers and acquisition, developing practical insights that clients act on and transferring skills that make change stick.  The firm aligns its incentives with clients by linking its fees to their results.  Bain clients have outperformed the stock market 4 to 1. Founded in 1973, Bain has 51 offices in 33 countries, and its deep expertise and client roster cross every industry and economic sector. For more information visit: www.bain.com.  Follow us on Twitter @BainAlerts.