Como a indústria química pode sair da crise

A indústria química enfrenta momentos difíceis no Brasil há quase uma década: acostumada a déficit estável entre 6 e 9 bilhões de dólares no período 2000-2006, foi surpreendida com prejuízo de 28 bilhões de dólares em 2007 – e este número só cresce, tendo atingido os 32 bilhões de dólares em 2013. De acordo com estudo realizado pela Bain & Company, a razão para tal mudança está centrada em dois fatores principais: o descompasso entre o crescimento da produção na indústria química nacional e a evolução do consumo doméstico; e o aumento do valor agregado das importações em relação às exportações de produtos químicos.

Para reverter esse cenário, a consultoria avaliou oportunidades de diversificação da indústria química brasileira, com ênfase em produtos químicos de maior valor agregado, no fortalecimento e expansão das cadeias produtivas e no desenvolvimento e implantação de novas tecnologias. Além disso, identificou e classificou 66 segmentos na indústria química em primário, secundário ou terciário, de acordo com o potencial de competitividade do Brasil em cada um deles.

O estudo constatou que as oportunidades de investimentos identificadas apenas no segmento primário podem somar de 33 a 47 bilhões de dólares entre 2015 e 2030, com ênfase em cinco segmentos: Defensivos, Derivados de Petroquímicos, Químicos para E&P, Aditivos alimentícios e Oleoquímicos. Se os aportes forem materializados, o déficit na balança comercial do setor pode ser reduzido de 22 a 38 bilhões de dólares anuais em 2030. Além destes, outro segmento de destaque encontrado foi a produção de energia a partir de fontes renováveis, especialmente biomassa, que pode contribuir com 15 a 35 bilhões de dólares de faturamento para a indústria em 2030, impactando positivamente a balança comercial brasileira.

Mas, para que esses números se tornem realidade, é fundamental a implantação de políticas e ações que aprimorem as condições de competitividade da indústria química no Brasil. De acordo com a Bain & Company, atualmente o país não é competitivo para atrair investimentos produtivos para grande parte das oportunidades identificadas ao longo do estudo. Com isso, os desafios de competitividade e as respectivas propostas de endereçamento são consolidados e priorizados em seis grupos principais:

1) Agregar valor ao petróleo e gás natural de propriedade da União, do pré-sal, destinando-os a investimentos produtivos de longo prazo e que sejam internacionalmente competitivos;

2) Aprimorar o ambiente regulatório;

3) Adicionar valor ao agronegócio brasileiro, por meio de investimentos na produção local de químicos produzidos com base em matérias-primas derivadas da biomassa;

4) Desenvolver e implementar investimentos destinados a melhorias na infraestrutura logística que suporta as cadeias produtivas químicas locais nos modais ferroviário, rodoviário e marítimo;

5) Aumentar os esforços de inovação tecnológica com prioridade estratégica para os segmentos de foco primário e a química da biomassa; e

6) Simplificar o sistema tributário.

Ao todo, as iniciativas apresentadas evidenciam um impacto de até 38 bilhões de dólares na balança comercial de 2030. Estima-se ainda que, até tal data, haja a necessidade de investimentos de 33 bilhões a 47 bilhões de dólares para capturar as oportunidades identificadas no Estudo.

Por fim, o total de investimentos potenciais nas oportunidades identificadas tende a trazer benefícios significativos como o aumento do PIB do país e a geração de empregos. Avaliando-se os prováveis benefícios provenientes das oportunidades apontadas nos segmentos de Defensivos, Petroquímicos, Químicos para E&P, Aditivos Alimentícios e Oleoquímicos, que são os segmentos em que essas oportunidades exercem maior impacto na balança comercial, estimam-se para 2030: 17 bilhões de dólares por ano de PIB adicional; além de 19 mil novos empregos diretos.

Sobre a Bain & Company, Inc.

Bain & Company, uma das maiores consultorias de negócios do mundo, orienta clientes em relação a estratégias, operações, tecnologia, constituição de empresas, fusões e aquisições, desenvolvendo práticas que assegurem aos clientes transparência nos processos de mudança e tomada de decisões. A Consultoria trabalha em sinergia com os clientes, vinculando seu fee aos resultados. O desempenho dos clientes da Bain superou o mercado de ações em 4 para 1. Fundada em 1973, a Bain conta com 55 escritórios em 36 países e atua junto a grandes empresas multinacionais, de private equity e outras corporações em todos os setores da economia. Para mais informações, visite: www.bain.com.br. Twitter: @BainAlerts.