Melhor não ostentar

Nos últimos anos, a China foi a maior fonte de alegria da indústria de produtos de luxo. Com a Europa numa crise sem fim e os Estados Unidos protagonizando uma lenta recuperação, a China parecia um oásis de vendas em alta. Isso valeu até o ano passado. Em 2014, o mercado de produtos de alto padrão na China estimado em 18 bilhões de dólares encolheu 1%, segundo a consultoria Bain & Company. Os maiores culpados pela oscilação negativa foram os produtos masculinos especialmente, relógios e roupas. Há três motivos para a queda. Primeiro, a desaceleração da economia fez refluir o apetite consumísta da classe média. Além disso, os novos-ricos chineses passaram a viajar mais para o exterior e a voltar com as malas cheias de produtos de luxo. Mas o que realmente estragou a festa das marcas globais foi o endurecimento do governo do presidente Xi Jinping no combate à corrupção. Presentes luxuosos para membros do Partido Comunista, antes uma forma eficiente de conseguir favores da máquina estatal, estão agora em baixa.