Bain uses cookies to improve functionality and performance of this site. More information can be found in our Privacy Policy. By continuing to browse this site, you consent to the use of cookies.

We have limited Portuguese content available. View Portuguese content.

Press release

Covid-19: mais de 1,5 bilhão de alunos são afetados pelo fechamento de escolas, segundo a Bain & Company

Covid-19: mais de 1,5 bilhão de alunos são afetados pelo fechamento de escolas, segundo a Bain & Company

De acordo com a consultoria, 40% dos brasileiros pretendem reduzir seus gastos com educação no curto prazo

  • maio 07, 2020
  • min read

Press release

Covid-19: mais de 1,5 bilhão de alunos são afetados pelo fechamento de escolas, segundo a Bain & Company

A pandemia do novo coronavírus tem afetado quase toda a população mundial e um dos segmentos mais impactados foi o de educação, que sofreu com o fechamento de escolas em todo o mundo. Segundo análise da Bain & Company, o impacto superou 1,5 bilhão de alunos (>90%) que, com o agravamento da crise, tiveram suas instituições de ensino fechadas em momentos distintos em cada país.

No Brasil, em alguns países da América do Sul e da Europa, que juntos somam 191 nações, a opção foi pelo fechamento geral das escolas. Os Estados Unidos e a Austrália, por exemplo, escolheram o fechamento localizado.

O estudo ainda revela que, do lado do consumidor, há expectativa de redução de gastos com educação entre os brasileiros, embora em menor escala que em outros setores. Cerca de 40% dos entrevistados pretendem investir menos em educação a curto prazo. A médio prazo, esse índice é de 35%. Seguindo o cronograma de outros países, o retorno às aulas no Brasil pode ser retomado apenas no segundo semestre de 2020.

“As escolas devem pensar e atuar desde já em iniciativas para superar a crise, considerando a proteção à saúde dos alunos, professores e demais funcionários e a comunicação e colaboração com os pais”, afirma Luis Frota, sócio da Bain & Company.

Adoção de novos métodos de ensino

Na China e Itália, a maioria das escolas entrevistadas adotaram métodos de educação à distância durante o primeiro mês de fechamento. Na Itália, o percentual foi de cerca de 70%. Já nos EUA, quase todas as escolas participantes da pesquisa adotaram ensino à distância. A expectativa é pela maior adoção de tecnologia após a crise.

Em paralelo, a pesquisa da Bain nota que fornecer educação à distância tem sido desafiador para muitos nos EUA. Apenas 31% dos professores afirmam estar preparados ou muito preparados para essa nova realidade. Entre os principais desafios estão: fornecer orientação às crianças com necessidades diversas (64%), a comunicação com pais e alunos (56%) e lidar com estudantes que não possuem hardware e internet (52%).

Retorno às aulas e novas rotinas

De acordo com a Bain & Company, a experiência da China na volta às aulas presenciais tem gerado diversos desafios como a organização dos horários de início e fim das aulas; número máximo de 30 alunos por sala (versus 50 ou mais normalmente); uso de máscara e simulações de boas práticas de higiene, como a lavagem das mãos. “Além disso, as aglomerações formadas pelos estudantes nas escolas exigem aulas de prevenção de epidemias, ambientes bem ventilados com presença de álcool gel e desinfecção frequente dos espaços”, reforça Frota.

Com isso, novas rotinas foram adotadas pelas instituições de ensino chinesas que já vivem essa nova realidade e incluem a medição de temperatura na entrada da escola e três vezes ao dia; o acesso limitado aos pais, que deixam e buscam os filhos em local próximo; adoção de ônibus escolar com menor capacidade máxima; criação de rota específica para grupos de alunos circularem nos corredores até as salas de aula e limitação do número de estudantes nos refeitórios ao mesmo tempo.

Para os demais países, a atenção agora está no planejamento para o possível retorno às aulas e potenciais demandas de proteção à saúde dos estudantes e demais profissionais de educação. As análises e experiências de outros países também indicam que será necessário refletir como a crise pode ter afetado expectativas e comportamentos de pais e alunos. Para a Bain, o cenário pode ser uma oportunidade para desenvolver novas capacidades e formas de ensino.