We have limited Portuguese content available. View Portuguese content.

Press release

38% dos executivos planejam ampliar investimentos em automação em 2021, diz Bain

38% dos executivos planejam ampliar investimentos em automação em 2021, diz Bain

Puxada por mudança de comportamento do consumidor, vendas nos canais online devem representar até 20% do mercado.

  • dezembro 03, 2020
  • min read

Press release

38% dos executivos planejam ampliar investimentos em automação em 2021, diz Bain

Diante de um cenário de incertezas e interrupções nos negócios, empresas de tecnologia têm 12% mais probabilidade de serem afetadas do que as de varejo, e 25% comparada com empresas de serviços Diante de um cenário de incertezas e interrupções nos negócios, empresas de tecnologia têm 12% mais probabilidade de serem afetadas do que as de varejo, e 25% comparada com empresas de serviços financeiros, duas outras indústrias que historicamente passaram por interrupções regulares.

Isso é o que aponta o novo relatório da Bain & Company, chamado Technology Report 2020: Taming the Flux, que examina a criação de valor no setor, os principais campos de batalha competitivos e as oportunidades de vantagem operacional no setor industrial.

“As empresas que investiram mais em automação antes da pandemia estão mais bem posicionadas para enfrentar a crise melhor do que aquelas que não agiram”, conta Livia Moura, sócia responsável pela área Digital da consultoria Bain & Company.

O relatório aponta ainda que para superar este problema e executar uma boa liderança, as empresas de tecnologia precisarão usar recursos como percepção do cliente e da concorrência, velocidade de execução, talento e fusões e aquisições. 

Criação de Valor

A maioria dos mercados de tecnologia está sujeita a constantes transições e interrupções que mudam o cenário competitivo. Essas realidades confundem as abordagens tradicionais, já que raramente seguem as definições por muito tempo.

“Quanto mais tempo uma empresa de tecnologia fica para trás em seu setor, menos provável é que ela se recupere. É fundamental que os CEOs de tecnologia entendam e passem pelas transições que ocorrem em seu segmento”, destaca Livia.

Cadeia de suprimentos resiliente

As cadeias de suprimentos de tecnologia já estavam sob pressão das crescentes tensões comerciais e agora a pandemia as levou ao seu limite. Os bloqueios físicos e a propagação da doença espremeram a produção da fábrica e criaram um pesadelo logístico para transportadores e fornecedores.

A pandemia também mudou os padrões típicos de demanda dos compradores por produtos de tecnologia no curto prazo. Alguns segmentos tiveram um aumento, como o de equipamentos para trabalhar em casa, enquanto outros tiveram uma contração substancial, sendo os componentes de tecnologia para a indústria automotiva um dos muitos exemplos.

A frequência e a escala das interrupções nas cadeias de suprimentos continuarão crescendo. Para enfrentar esse desafio, é necessário um novo equilíbrio estratégico nas cadeias de suprimentos de tecnologia.

Cadeias de suprimentos eficientes e de baixo custo ainda são cruciais, mas seu nível de resiliência se tornou ainda mais importante. As empresas líderes em tecnologia estão focadas em encontrar maneiras de construir mais flexibilidade em suas cadeias de abastecimento e fornecimento, reconhecendo tanto o risco negativo quanto o potencial competitivo de manutenção de fluxos de produtos para o próximo deslocamento de mercado inevitável.

O relatório ainda destaca cinco atributos comuns de cadeias de suprimentos resilientes em todo o setor de tecnologia: uma estrutura de rede ágil, operações digitais e seguras, visibilidade em tempo real, análises práticas e uma organização com poderes.
 
Automação

Em questão de semanas, a automação passou de baixa prioridade para missão crítica para muitos executivos. As empresas que investiram mais em automação antes da pandemia estão mais bem posicionadas para enfrentar a crise melhor do que aquelas que não agiram.

Essas empresas de tecnologia voltadas para o futuro geraram receitas mais altas, experimentaram menos interrupções em sua cadeia de suprimentos e viram o aumento da produtividade e da demanda da força de trabalho.

Embora a maioria das empresas pesquisadas esteja acelerando suas iniciativas de automação e as barreiras tradicionais estejam diminuindo, os líderes de automação de hoje desfrutam de uma vantagem significativa. Antes do surgimento da Covid-19, muitas empresas líderes planejavam automatizar 30% ou mais de seus processos manuais - duas a cinco vezes mais do que empresas com baixas taxas de adoção de automação.

No próximo ano, 38% dos líderes pretendem investir significativamente mais em automação, em comparação com apenas 22% de outras empresas.

Saindo da pandemia, cerca de 60% das empresas de tecnologia planejam automatizar mais suas atividades offshore, a maior taxa de qualquer setor pesquisado. Em média, as empresas de tecnologia planejam que 38% de seus funcionários continuem trabalhando remotamente, mesmo após o retorno do trabalho no local, empatados com serviços financeiros para a taxa mais alta entre os setores pesquisados.

As empresas se sentem confortáveis em fazer essa mudança em parte porque reconhecem que a automação pode ajudar as pessoas a trabalhar de forma mais eficaz em casa, especialmente na minimização de erros em tarefas que envolvem uma série de transferências entre pessoas dispersas, como a equipe financeira fechando os livros no trimestre .
 
Impacto da dissociação EUA/China

As tensões cada vez maiores entre os EUA e China aceleraram o desdobramento da globalização mais rapidamente do que muitos previram, e não é provável que essa tendência seja revertida.

Equipes executivas em empresas líderes de tecnologia, tanto na China como em todo o mundo, estão enfrentando uma nova realidade que tem implicações tangíveis para seus negócios: as economias dos EUA e da China e os ecossistemas de tecnologia estão caminhando para o desacoplamento.

Desafios geopolíticos à parte, as empresas globais de tecnologia não podem ignorar a China. O consumo do país asiático representa até 25% da demanda global em produtos de servidor, rede, PC e smartphone, e o consumo da maioria dos produtos de tecnologia no país está aumentando pelo menos duas vezes mais rápido que a média global.

O desacoplamento está forçando as equipes de liderança em tecnologia na China, nos Estados Unidos e em todos os outros lugares a tomar decisões difíceis sobre o futuro de suas cadeias de suprimentos, produtos, clientes, funcionários e até mesmo limites organizacionais.

À medida que a marcha em direção ao desacoplamento continua, mais empresas de tecnologia revisitarão suas estratégias, buscando equilibrar o desejo de vender para os blocos dos EUA e da China, proteger sua propriedade intelectual e superar os concorrentes.
 
Fusões e Aquisições

Nos últimos cinco anos, a tese fundamental para fusões e aquisições de tecnologia mudou. Em 2019, 82% das fusões e aquisições de tecnologia foram negócios de escopo, por meio dos quais o comprador entra em segmentos de negócios de crescimento mais rápido ou adquire novos recursos, propriedade intelectual ou talento para gerar crescimento futuro. Os 18% restantes eram negócios em escala, normalmente voltados para o fortalecimento da posição da empresa no mercado e redução de custos.

Há apenas cinco anos, a divisão entre negócios de escopo e escala na indústria de tecnologia era praticamente uniforme. A mudança enfática em direção a acordos de escopo é uma forma pela qual as empresas estão se posicionando para acompanhar taxas sem precedentes de transições de tecnologia, alterando as fronteiras da competição, expandindo as expectativas dos clientes e uma feroz guerra de talentos.

Uma razão secundária para a mudança para acordos de escopo é estrutural. Simplificando, há menos oportunidades de aquisições em escala atualmente porque o setor de tecnologia tornou-se altamente concentrado. Segmentos como semicondutores e software passaram por anos de consolidação. Outras áreas, como serviços em nuvem, são inerentemente propensas a um pequeno número de vencedores.

Esta curva de fusões e aquisições de escopo provavelmente se acelerará. Os negócios de tecnologia foram paralisados no segundo trimestre deste ano, devido à pandemia de Covid-19 e ao aperto dos mercados de crédito. Mas o cenário está maduro para renovar as atividades de fusões e aquisições. Os preços das ações de muitas empresas de tecnologia foram resilientes durante a recente crise econômica, e elas estão sentadas em grandes reservas de caixa que poderiam financiar aquisições atraentes.

###

Sobre a Bain & Company

Somos uma consultoria global que auxilia empresas e organizações a promover mudanças que definam o futuro dos negócios. Com 63 escritórios em 38 países, trabalhamos em conjunto com nossos clientes, como um único time, com o propósito compartilhado de obter resultados extraordinários, superar a concorrência e redefinir indústrias. Complementamos nosso conhecimento especializado integrado e personalizado com um ecossistema de inovação digital a fim de entregar melhores resultados, com maior rapidez e durabilidade.

Com o compromisso de investir mais de US$1 bilhão em serviços “pro bono”, em 10 anos, usamos nosso talento, conhecimento especializado e percepção em prol de organizações que enfrentam atualmente os desafios urgentes relacionados ao desenvolvimento socioeconômico, meio ambiente, equidade racial e justiça social. Recentemente, recebemos a classificação ouro da EcoVadis, plataforma líder em classificações de desempenho ambiental, social e ético para cadeias de suprimentos globais, o que nos coloca entre os 2% melhores de todas as companhias.

Desde nossa fundação em 1973, medimos nosso sucesso pelo de nossos clientes e temos o orgulho de manter o mais alto nível de satisfação em nossa indústria. Saiba mais em www.bain.com.br e em nosso LinkedIn Bain & Company Brasil