We have limited Portuguese content available. View Portuguese content.

Press release

Bain aponta quatro fatores que podem acelerar a adoção do open banking no Brasil

Bain aponta quatro fatores que podem acelerar a adoção do open banking no Brasil

Bain compara iniciativas bem sucedidas em outros países o mostra como o mercado brasileiro está favorável à adoção imediata

  • agosto 12, 2021
  • min read

Press release

Bain aponta quatro fatores que podem acelerar a adoção do open banking no Brasil

Brasil, 12 de agosto de 2021 - Após adiar em julho o início da segunda fase do Open Banking no Brasil, o Banco Central dará início nesta sexta-feira, 13, à nova etapa do sistema de compartilhamento de dados, informações e serviços financeiros entre usuários e plataformas de tecnologia. Ao todo, o sistema aberto terá quatro fases, com implementação total prevista para o fim deste ano.

A chegada do Open Banking trouxe inúmeras mudanças para o setor financeiro, criando uma verdadeira revolução tecnológica na indústria. Para entender os fatores que podem acelerar a adoção, a Bain & Company reuniu dados de estudos sobre o tema comparando a experiência de outros países ao cenário brasileiro. 

Ao analisar a evolução do Open Banking em mais de 10 países, pode-se concluir que nos 5 países e regiões onde o avanço foi maior ele não se deu por uma regulação forte que obrigasse os bancos a abrirem seus dados, mas sim por um conjunto amplo de fatores. São eles: 

Esforço de padronização da comunicação entre os bancos através das suas API’s
Nas geografias de maior sucesso do Open Banking, há um ente governamental ou privado que cria um padrão de comunicação entre os bancos participantes, acelerando a adoção. Um exemplo é o Reino Unido, onde – após um início relativamente lento e falta de padrões claros – hoje existe clareza de standards. Já são mais de 700 milhões de acessos mensais de dados por mês, sinal de forte adoção em um país com aproximadamente 50 milhões de pessoas com contas bancárias.

Participação clara e proativa dos grandes bancos com foco em inovação
Em Singapura, dois dos maiores bancos locais possuem mais de 300 API’s cada um e construíram fortes ecossistemas de parcerias ao redor das suas ofertas bancárias. 

Boa estrutura para proteção de dados de cliente, autenticação e segurança
Na maior parte das vezes, isso acontece por exigências regulatórias, nem sempre associadas a serviços financeiros. Na Índia, um sistema digital de identificação das pessoas iniciado em 2009, o Aadhaar, já possui mais de 1,2 bilhões de pessoas cadastradas e acelerou a adoção de serviços financeiros digitais.  

Forte ecossistema de inovação
Um ecossistema formado por startups, fundos de venture capital e grandes empresas de tecnologia que possuam capacidade de explorar as diferentes oportunidades do Open Banking. Na Inglaterra, foram mais de 360 rodadas de investimentos em fintechs em 2020, no meio da pandemia. Em Singapura, há forte presença de players de tecnologia, como a Grab (aplicativo de entregas) que vem criando múltiplas parcerias.

Quando comparamos o cenário brasileiro, a perspectiva é otimista considerando que o País tem forte presença de todos os 4 fatores:

  • Os grupos de trabalho do Open Banking já estão trabalhando em padrões de comunicação e publicando as diretrizes em portal público dedicado;
  • 8 dos 10 maiores bancos já possuem portais de desenvolvedores (ainda que em estágios diferentes de maturidade);
  • Possui um sólido sistema legal de sigilo bancário;
  • Tem forte ecossistema de inovação: foram mais de 50 rodadas de investimento em fintechs em 2020, representando 15% de todas as rodadas de startups, contra apenas 11 em 2012. 

“É seguro dizer que o Open Banking deve ver uma acelerada adoção no Brasil”, completa André Mello, sócio associado da Bain & Company. 

Mercado favorável
A iniciativa do Banco Central permitirá novos modelos de negócios, integrando os dados e serviços dos bancos e de terceiros, e a competição com fintechs, big techs, varejistas e outros jogadores não tradicionais vai acontecer de forma mais intensa e efetiva por meio de conexões com APIs abertas e, em múltiplos casos, padronizadas. Tudo isso visando modernizar o sistema financeiro e fomentar a inclusão e a educação financeira no país. 

“O valor estratégico do Open Banking para as instituições financeiras está em ativamente acessar novos dados e clientes, e prestar novos serviços, ao invés de apenas cumprir os requisitos regulatórios mínimos e só fornecer informação”, conta Antonio Cerqueiro, sócio da Bain & Company.

Por isso, é importante que instituições financeiras se reinventem e construam uma agenda ampla que passa por:

Repensar a jornada do consumidor sob a ótica do Open Banking 
Entender quais etapas se beneficiariam de mais dados, por exemplo na concessão de crédito. Quais custos poderiam ser reduzidos e como otimizar experiências de clientes, com um onboarding mais rápido, para citar um exemplo

Explorar modelos de negócio adjacentes e inovadores
Explorar novas parcerias e canais de venda, via instituições não financeiras; construir um ecossistema de serviços e produtos ‘além do banco’; apoiar o cliente na sua gestão financeira pessoal, etc.

Repensar o modelo operacional de negócio e tecnologia à luz do open banking
Alavancar práticas ágeis para permitir a exploração das oportunidades em modo de ‘teste & aprendizado’, respondendo rapidamente às mudanças externas que certamente virão.

####

Sobre a Bain & Company

Somos uma consultoria global que auxilia empresas e organizações a promover mudanças que definam o futuro dos negócios. Com 63 escritórios em 38 países, trabalhamos em conjunto com nossos clientes, como um único time, com o propósito compartilhado de obter resultados extraordinários, superar a concorrência e redefinir indústrias. Complementamos nosso conhecimento especializado integrado e personalizado com um ecossistema de inovação digital a fim de entregar melhores resultados, com maior rapidez e durabilidade.

Com o compromisso de investir mais de US$1 bilhão em serviços “pro bono”, em 10 anos, usamos nosso talento, conhecimento especializado e percepção em prol de organizações que enfrentam atualmente os desafios urgentes relacionados ao desenvolvimento socioeconômico, meio ambiente, equidade racial e justiça social. Recentemente, recebemos a classificação ouro da EcoVadis, plataforma líder em classificações de desempenho ambiental, social e ético para cadeias de suprimentos globais, o que nos coloca entre os 2% melhores de todas as companhias.

Desde nossa fundação em 1973, medimos nosso sucesso pelo de nossos clientes e temos o orgulho de manter o mais alto nível de satisfação em nossa indústria. Saiba mais em www.bain.com.br e em nosso LinkedIn Bain & Company Brasil