We have limited Portuguese content available. View Portuguese content.

Press release

Private Equity pode ultrapassar US$ 1 tri em 2021 e registrar o melhor ano de sua história

Private Equity pode ultrapassar US$ 1 tri em 2021 e registrar o melhor ano de sua história

Apesar de todos os desafios, o ritmo de recuperação de private equity tem sido extraordinário e 2021 deve encerrar sendo, de longe, o melhor ano da história do setor.

  • novembro 11, 2021
  • min read

Press release

Private Equity pode ultrapassar US$ 1 tri em 2021 e registrar o melhor ano de sua história

Apesar de todos os desafios, o ritmo de recuperação de private equity tem sido extraordinário e 2021 deve encerrar sendo, de longe, o melhor ano da história do setor. Esta é a conclusão do novo relatório de Private Equity da Bain & Company, que aponta que o valor de saída e a arrecadação podem atingir ou ultrapassar a marca de US$ 1 trilhão no final do ano. Se isso se confirmar, a indústria terá triplicado de tamanho nos últimos 10 anos, superando o breve choque por conta da pandemia.

O superdimensionamento de private equity criou fundos cada vez maiores, realizando grandes negócios. E dado que dry powder (diferença entre o dinheiro captado pelo fundo e o recurso efetivamente investido por ele) atingiu um novo recorde de US$ 3,3 trilhões no fim de junho - cerca de US$ 1 trilhão apenas em fundos de aquisição - , há bastante combustível sobrando para impulsionar novas atividades.

O relatório analisou o primeiro semestre de 2021 e mostra que, globalmente, o patrimônio privado gerou US$ 539 bilhões em valor de negócio durante o período. Isso está no mesmo nível da média do ano inteiro desde 2016, de US$ 543 bilhões. Um total para o ano inteiro acima de US$ 1 trilhão este ano superaria o recorde anterior de US$ 804 bilhões, estabelecido em 2006, quando a indústria atingiu o pico antes da crise financeira global.

“O levantamento mostra que o tamanho do negócio, não a contagem, está por trás do aumento no valor. O número de negócios individuais estava subindo 16% em comparação com o primeiro semestre de 2020, depois de ficar bem aquém da média de longo prazo de 4.000 em 2020. Mas o tamanho médio dos negócios disparou 48%, de US$ 718 milhões para US$ 1,1 bilhão”, comenta André Castellini, sócio da Bain & Company. 

Tecnologia lidera 
Um em cada três acordos de compra no primeiro semestre envolveu uma empresa de tecnologia (principalmente em software), e isso provavelmente subestima o apelo crescente da tecnologia para os investidores. Esses números geralmente deixam de fora subsetores como fintech, serviços habilitados para tecnologia e TI de saúde, que também atraiu grande interesse dos investidores de Private Equity. Dado que tecnologia significa crescimento e crescimento significa múltiplos mais altos, a tendência de investir nesses setores provavelmente continuará nos próximos meses e anos.

SPACs ainda importam
O apetite voraz do mercado dos EUA por ofertas públicas iniciais patrocinadas pelo SPAC (companhias com propósito específico de aquisição) parou repentinamente em abril, em meio a um maior escrutínio regulatório dessas empresas. Mas mesmo que o volume de novos SPACs permaneça em níveis mais baixos pelo resto do ano, os US$ 207 bilhões em capital IPO do SPAC levantados desde janeiro de 2019 continuarão a deixar sua marca no ecossistema de private equity.

No primeiro semestre do ano, os SPACs gastaram apenas US$ 49 bilhões para fechar acordos de fusão e outros US$ 48 bilhões foram comprometidos com fusões anunciadas. Isso significa que 419 SPACs com US$ 133 bilhões ainda estão procurando empresas para abrir o capital , apresentando desafios e oportunidades para os sócios..

O desafio é que uma parte desse capital não gasto apenas aumentará a já acirrada competição que as empresas enfrentam quando procuram por meio de uma oferta limitada de alvos de aquisição de qualidade. Isso é especialmente notável, dado que o poder de compra desses US$ 133 bilhões é, na verdade, um pouco mais alto; os negócios do SPAC são normalmente alavancados com outras formas de financiamento, como investimentos privados em ações públicas (PIPEs). A vantagem é que as fusões do SPAC continuarão a criar um forte canal de saída para os GPs que buscam uma entrada rápida nos mercados públicos.

A corrida para os os IPOs
Os SPACs já provaram ser compradores ativos de empresas de portfólio, ajudando a estimular a saída do mercado em 2021. O valor de saída apoiado pela compra global até 30 de junho disparou para US$ 488 bilhões, ou 10% acima do total do ano inteiro em 2020, parcialmente no de US$ 84 bilhões em fusões SPAC.

Os IPOs tradicionais também estavam aquecidos, representando US$ 90 bilhões em saídas. Esse aumento nas saídas públicas foi principalmente um fenômeno norte-americano, impulsionado por mercados públicos excepcionalmente robustos nos EUA. Se isso continuar no segundo semestre, o ritmo pode empurrar o valor de saída global para US$ 1 trilhão, essencialmente dobrando o pico anterior de US$ 521 bilhões em 2014.

Sobre a Bain & Company

Somos uma consultoria global que auxilia empresas e organizações a promover mudanças que definam o futuro dos negócios. Com 63 escritórios em 38 países, trabalhamos em conjunto com nossos clientes, como um único time, com o propósito compartilhado de obter resultados extraordinários, superar a concorrência e redefinir indústrias. Complementamos nosso conhecimento especializado integrado e personalizado com um ecossistema de inovação digital a fim de entregar melhores resultados, com maior rapidez e durabilidade.

Com o compromisso de investir mais de US$1 bilhão em serviços “pro bono”, em 10 anos, usamos nosso talento, conhecimento especializado e percepção em prol de organizações que enfrentam atualmente os desafios urgentes relacionados ao desenvolvimento socioeconômico, meio ambiente, equidade racial e justiça social. Recentemente, recebemos a classificação ouro da EcoVadis, plataforma líder em classificações de desempenho ambiental, social e ético para cadeias de suprimentos globais, o que nos coloca entre os 2% melhores de todas as companhias.

Desde nossa fundação em 1973, medimos nosso sucesso pelo de nossos clientes e temos o orgulho de manter o mais alto nível de satisfação em nossa indústria. Saiba mais em www.bain.com.br e em nosso LinkedIn Bain & Company Brasil