We have limited Portuguese content available. View Portuguese content.

Press release

Setor aquecido e com salários em alta: pesquisa da Bain e da Data Hackers revela os principais desafios do mercado brasileiro de dados

Setor aquecido e com salários em alta: pesquisa da Bain e da Data Hackers revela os principais desafios do mercado brasileiro de dados

Baixa maturidade analítica das empresas brasileiras e falta de oportunidades de crescimento são principais fatores para atração e retenção de profissionais

  • março 22, 2022
  • min read

Press release

Setor aquecido e com salários em alta: pesquisa da Bain e da Data Hackers revela os principais desafios do mercado brasileiro de dados

São Paulo, março de 2022 - A crescente demanda de empresas por soluções analíticas tem elevado a busca por profissionais de ciência de dados no Brasil. É o que aponta a pesquisa State of Data Brazil 2021, realizada pela Bain & Company em conjunto com a Data Hackers - maior comunidade de Data Science do Brasil. O estudo, inédito, avalia que a busca por esse perfil altamente especializado tem se refletido em diferentes aspectos de formação e migração dos profissionais, satisfação com os empregadores, preferências por tipos específicos de trabalho, além de remuneração e formatos de atuação.

O estudo, que ouviu 2.645 profissionais de ciência de dados de todo o Brasil entre os dias 18 de outubro e 6 de dezembro de 2021, avaliou que o alto nível de instrução formal, com 50% deles sendo pós-graduados, torna o profissional de ciência de dados exigente no momento de escolher para qual empresa atuar. Para 44,5% deles,  a falta de maturidade analítica das organizações brasileiras é um dos principais motivos de insatisfação. Além disso, 43,8% deles sentem que falta oportunidade de crescimento em seus empregos atuais.

Para Lucas Brossi, líder da área de Advanced Analytics da Bain & Company na América do Sul e um dos autores do estudo, esses fatores indicam que não basta contratar bons profissionais. As empresas devem fornecer estrutura e tecnologia, aliados a uma nova cultura organizacional. "As organizações precisam estabelecer uma visão clara de processos e governança, criar um roadmap priorizado de casos de uso e mudar sua cultura para a tomada de decisão baseada em dados", ressalta.

A pesquisa identificou ainda que a intenção de mudar de emprego nos próximos seis meses está diretamente relacionada ao nível de satisfação com o posto  atual, o que tem feito com que os profissionais de ciência de dados estejam sempre observando novas oportunidades. Segundo o estudo, para os profissionais satisfeitos, 12,8% estão em busca de novas oportunidades dentro e fora do Brasil, e 9,9% procuram emprego apenas fora do país. Ainda que não estejam ativamente à procura de novas oportunidades, 40,2% dos respondentes estão abertos a propostas, com percentual relativamente constante entre todos os níveis de cargo e maior incidência entre gestores (41,6%).

Valorização e remuneração
Se por um lado, os profissionais de ciência de dados avaliam a maturidade analítica das empresas como um fator de satisfação e escolha, por outro, o levantamento da Bain & Company e da Data Hackers destacou que a remuneração também é um dos principais motivo pelos quais os profissionais optam por considerar uma mudança de empresa. Esse indicador foi apontado por 68,8% dos respondentes.  

A pesquisa reforçou que o salário tem sido usado pelas empresas como forma de reter e valorizar esse perfil. De acordo com o estudo, a remuneração dos profissionais da área de dados aumentou significativamente entre 2019 e 2021, com um aumento médio de cerca de 40%. Segundo o estudo, a proporção de respondentes ganhando R$ 12 mil/mês ou mais subiu de 10,2% em 2019 para 24,1% em 2021, indicando uma maior dispersão de remuneração. Já os níveis mais baixos de remuneração registraram redução. A proporção de profissionais ganhando até R$ 4 mil/mês era de 39% em 2019 e, em 2021, caiu para apenas 22%.

O estudo também identificou que a remuneração dos profissionais satisfeitos e insatisfeitos com o emprego atual é significativamente diferente, reforçando o tema como um dos principais pontos de insatisfação. Enquanto 18,2% dos profissionais satisfeitos ganham até R$ 4 mil/mês, este número é de 33% para os insatisfeitos. Avaliando os patamares mais altos de remuneração, a pesquisa mostrou que 27,5% dos profissionais satisfeitos ganham acima de R$ 12 mil/mês, enquanto esse número é de apenas 13,8% no grupo que se declarou insatisfeito. 

Segundo Brossi, é essencial que as organizações consigam compreender o que gera ou não satisfação no profissional de ciência de dados, pois somente assim será possível atrair e reter esse perfil altamente qualificado. "As empresas, em seus processos de contratação, promoção e retenção de talentos, precisam estabelecer parâmetros claros de valorização que possam atender aos anseios e desejos dessa comunidade de profissionais. O nosso objetivo com o estudo foi justamente jogar luz sobre o tema de modo a auxiliar as organizações nessa jornada", concluiu. 

Desafio por igualdade de gênero
Outro insight descoberto pelo levantamento da Bain e da Data Hackers é a falta de igualdade salarial entre homens e mulheres, especialmente em cargos mais elevados. No nível sênior, apenas 28,7% das mulheres ganham mais de R$ 12 mil por mês. Entre os homens, esse número salta para 41,4%.

A mesma tendência é repetida em cargos de gestão, com profissionais do gênero feminino com remuneração maior do que R$ 12 mil por mês representando 48,5% do total, número que aumenta para 56,8% entre os profissionais do gênero masculino. 

As mulheres apresentam vantagem salarial em apenas uma faixa de cargo pesquisada, justamente a de nível júnior: 41% das mulheres contra 36,7% dos homens. 

Para acessar o relatório State of Data Brazil 2021, da Bain & Company e da Data Hackers, acesse o link

Sobre a Bain & Company

Somos uma consultoria global que auxilia empresas e organizações a promover mudanças que definam o futuro dos negócios. Com 64 escritórios em 39 países, trabalhamos em conjunto com nossos clientes como um único time, com o propósito compartilhado de obter resultados extraordinários, superar a concorrência e redefinir indústrias. Em 2022, a Bain completa 25 anos de atuação na América do Sul, trabalhando fortemente em conjunto com as maiores companhias líderes de seus segmentos. Complementamos nosso conhecimento especializado integrado e personalizado com um ecossistema de inovação digital a fim de entregar os melhores resultados, com maior rapidez e durabilidade.

Com o compromisso de investir mais de US$ 1 bilhão em serviços pro bono em dez anos, usamos nosso talento, conhecimento especializado e percepção em prol de organizações que enfrentam atualmente os desafios urgentes relacionados ao desenvolvimento socioeconômico, meio ambiente, equidade racial e justiça social. 

Desde nossa fundação em 1973, medimos nosso sucesso pelo de nossos clientes e temos o orgulho de manter o mais alto nível de satisfação em nossa indústria. Saiba mais em www.bain.com.br e em nosso LinkedIn Bain & Company Brasil